sexta-feira, 1 de junho de 2012

Mazzaroth - Como as estrelas nos contam a História da Redenção - parte 1



“Os céus proclamam a glória de Deus, e o firmamento anuncia a obra de Suas mãos. Um dia discursa a outro dia, e uma noite revela conhecimento a outra noite. Não há linguagem, nem há palavras, e deles não se ouve nenhum som; no entanto, por toda a terra se faz ouvir a Sua voz, e as Suas palavras, até os confins do mundo. Aí, pôs uma tenda para o Sol.”
Salmo 19:1-4.
Neste salmo vê-se o circuito através do qual o Sol passa, definindo as luzes celestiais. A Bíblia declara, " ...conta o número das estrelas, chamando-as todas pelo seu nome ...” (Sl.147:4)  Em Jó lemos sobre as Plêiades – também conhecidas como “Sete-estrelo”, Orion – “Três Marias”, Arcturus  e o Zodíaco, ou “Mazzaroth”, antiga palavra hebraica traduzida como “Doze Sinais". Entre os gregos o Mazzaroth era denominado de “ζωδιακός κύκλος” (Círculo de Animais), o popular zodíaco.
A abóboda celeste foi dividida arbitrariamente em 12 seções, e ao longo de cada ano o Sol passa por essas doze seções ou sinais. Este caminho aparente do Sol é conhecido como  Eclíptica.  Desde a antiguidade os hebreus acreditam haver nestes doze signos  mensagens de Deus para toda a humanidade acerca da redenção. Cada sinal tem um nome hebraico, inspirado no desenho que as estrelas desenham no céu.
Uma mensagem maravilhosa.
Antes de explicar melhor estes sinais e as estrelas associadas à uma maravilhosa mensagem é importante notar a profunda diferença entre a astronomia e a astrologia. Astronomia significa “lei”, “norma” ou “arranjo” das estrelas; astrologia significa “palavra”, “doutrina” ou “mensagem” das estrelas. Nos tempos antigos, tanto uma como outra eram exercidas pelas mesmas pessoas, já que não existia uma fronteira nítida entre a ciência observacional e as práticas místico-religiosas.  Foi o estudo astrológico que originou o horóscopo, palavra grega que significa “ver para saber”, uma alusão à suposição de que é possível saber-se o destino de uma pessoa desde que se veja a disposição dos astros no momento do seu nascimento.
A Bíblia apresenta as maravilhas celestes como prova da ação de um Criador poderoso e sábio e os detalhes do zodíaco como uma série de imagens que dão detalhes do maravilhoso plano que Ele estabeleceu para todos por todos os tempos. O horóscopo, por outro lado, é uma vã tentativa de transformar esta história em profecias individuais, dias de sorte e direção pessoal.  Deus, através de Seus profetas tem desafiado as alegações dos astrólogos em diversas ocasiões. Sua advertência a Israel como registrado em Isaías fala por si:
“Já estás cansada com a multidão das tuas consultas! Levantem-se, pois, agora, os que dissecam os céus e fitam os astros, os que em cada lua nova te predizem o que há de vir sobre ti. Eis que serão como o restolho, o fogo os queimará; não poderão livrar-se do poder das chamas; nenhuma brasa restará para se aquentarem, nem fogo, para que diante dele se assentem”.  Is.47:13-14.
A prática da astrologia e a leitura de horóscopos é irreal e inútil.
O “Mazzaroth” ou Doze Sinais.
Os doze sinais são bastante conhecidos. Na tradição hebraica, eles começam com Virgo, a Virgem, e concluem com Leo, o Leão. Estes dois sinais estão diretamente associados como o nascimento e posterior retorno do nosso Senhor Jesus Cristo. É significativo que, a Grande Esfinge egípcia, é uma cabeça de mulher ligada a um corpo de leão, como um desafio para que se decifre este milenar enigma.
A partir daqui cada sinal representa algum aspecto da narrativa bíblica:
VIRGEM (A Mulher). Está em meio a 140 estrelas, com o sol tendo 43 dias para passar por esta constelação. A estrela mais brilhante neste signo é Spica (Tsemech em hebraico,  ou Al- Zimach em árabe),  que significa "espiga” ou “ramo". A representação artística é a de uma mulher segurando um ramo.  Isaías 7:14 declara: "Eis que a virgem conceberá e dará à luz um Filho ...". A isto, podemos associar outra profecia entregue pelo mesmo Isaías:  “Porque brotará um rebento do tronco de Jessé, e das suas raízes um renovo frutificará. E repousará sobre ele o Espírito do SENHOR, o espírito de sabedoria e de entendimento, o espírito de conselho e de fortaleza, o espírito de conhecimento e de temor do SENHOR.” Is. 11:1-2. Assim, Virgem nos fala do nascimento do Messias. E, ao meditarmos em que Spica, a estrela mais brilhante desta constelação, significa “espiga” ou “semente”, entendemos  que este messias é o cumprimento da palavra entregue pelo próprio Deus ainda no jardim do Éden: “Então o SENHOR Deus disse à serpente: Porquanto fizeste isto, maldita serás mais que toda a fera, e mais que todos os animais do campo; sobre o teu ventre andarás, e pó comerás todos os dias da tua vida. E porei inimizade entre ti e a mulher, e entre a tua semente e a sua semente; esta te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar.” Gn.3:14-15.

Virgem esta associada a outras 3 constelações:

COMA (“Cabeleira”). Em antigos documentos egípcios, esta constelação chamava-se “Shes-Nu” (“Filho Desejado”). Era representada por uma mulher cuidando amorosamente de uma criança de colo. Nos fala do Messias como o desejado das nações – “Eis que eu envio o meu mensageiro, que preparará o caminho diante de mim; e de repente virá ao seu templo o Senhor, a quem vós buscais; e o mensageiro da aliança, a quem vós desejais, eis que ele vem, diz o SENHOR dos Exércitos.” Ml.3:1Posteriormente, esta constelação foi associada à uma lenda envolvendo a rainha egípcia Berenice, que ofereceu seus longos e muito estimados cabelos loiros como voto para que seu esposo, o rei Ptolomeu III, voltasse em segurança de uma batalha. O compacto grupo de estrelas passou então a ser conhecido pelo nome atual.  Mesmo nesta simbologia podemos perceber ecos da mensagem divina: o Messias é aquele que se despojou de Sua glória (o cabelo) em favor daqueles a quem  Ele ama. “De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus, que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus, mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens; e, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte, e morte de cruz.” Fp.2:5-8.

CENTAURO. Na mitologia clássica um ser metade homem, metade cavalo. Em hebraico esta constelação era designada por dois termos: “Bezeh” (“desprezado”) e “Asmeah” (“oferenda”). Nos fala do Messias como aquele que é homem, mas ao mesmo tempo é um animal de cascos fendidos, adequado para ser oferecido no altar como sacrifício pelo pecado (Lv.1; II Co.5:21). Já no relato mitológico Chiron, o pai de todos os centauros, foi ferido por um dardo envenenado. Sendo imortal o veneno não pode mata-lo, mas fez com vivesse em constante dor e agonia, um lembrete de que o Messias é aquele que carrega as dores do homem. “Era desprezado, e o mais rejeitado entre os homens, homem de dores, e experimentado nos trabalhos; e, como um de quem os homens escondiam o rosto, era desprezado, e não fizemos dele caso algum.” Is.53:3.

BOOTES (Boiadeiro).  Na antiguidade esta constelação recebeu diferentes nomes: “Smat” – Aquele que governa e “Bau” – A vinda (ambas em egípcio). É possível também que fosse conhecida pelo nome da sua estrela mais brilhante – Arcturus – que significa “o que vem”. Outras estrelas da constelação tem nomes muito sugestivos: “Alkaluropis” (“o ramo sob os pés”) e “Nekka” (“perfurado”). A mensagem é: o Messias é aquele que foi perfurado mas que voltará para governar e pisar os inimigos sob seus pés. “E olhei, e eis uma nuvem branca, e assentado sobre a nuvem um semelhante ao Filho do homem, que tinha sobre a sua cabeça uma coroa de ouro, e na sua mão uma foice aguda.
E outro anjo saiu do templo, clamando com grande voz ao que estava assentado sobre a nuvem: Lança a tua foice, e sega; a hora de segar te é vinda, porque já a seara da terra está madura. E aquele que estava assentado sobre a nuvem meteu a sua foice à terra, e a terra foi segada.” Ap.14:14-16Pela simbologia grega, podemos ver em Bootes o Messias-pastor,  fiel e verdadeiro, que guia Seu povo em amor. "Eis que o Senhor DEUS virá com poder e seu braço dominará por ele; eis que o seu galardão está com ele, e o seu salário diante da sua face. Como pastor apascentará o seu rebanho; entre os seus braços recolherá os cordeirinhos, e os levará no seu regaço; as que amamentam guiará suavemente." Is.40:10-11. 


(continua...)

Um comentário:

Obrigado por visitar-nos. Seu comentário é sempre bem vindo.